Ao Vivo
 
 
Siga ao vivo

Cidade

Ministério Público do Estado de Rondônia deflagra a Operação Apate

Ministério Público do Estado de Rondônia deflagra a Operação Apate

O Ministério Público do Estado de Rondônia deflagrou nesta manhã de terça-feira, 07 de novembro, a Operação Apate, resultado de investigações conduzidas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, em conjunto com a Promotoria de Justiça de Guajará-Mirim, que revelaram a existência de uma organização criminosa voltada ao oferecimento de cursos de graduação e pós-graduação sem a devida autorização do MEC. A organização criminosa desmantelada pela atuação do Ministério Público, voltada à prestação de serviços de caráter educacional, ludibriou inúmeros alunos ao dar aparência de regularidade aos cursos ofertados, obtendo vantagem patrimonial com as fraudes praticadas. O esquema consistia, basicamente, na oferta de cursos de graduação e pós-graduação que, quando concluídos, davam aos alunos diplomas ideologicamente falsos, adquiridos ilegalmente de diversas instituições de ensino sediadas em variados estados da federação. A organização estava instalada em pelo menos 17 localidades, das quais 14 estão localizadas em Rondônia. Segundo estimativas, a entidade educacional ligada à organização criminosa tem atualmente cerca de 1300 alunos matriculados, além do número não apurado de vítimas atingidas que já receberam os falsos diplomas. O cenário trazido à colação pelo Ministério Público desnuda a prática de crimes de organização criminosa, crimes de estelionato, crimes de falsidade ideológica, crimes contra as relações de consumo e, até mesmo, possível prática de lavagem de dinheiro. No total, com a parceria da Polícia Civil, estão sendo cumpridos simultaneamente, 33 mandados de busca e apreensão, 23 conduções coercitivas, em 14 localidades espalhadas pelo Estado de Rondônia. Além destas cautelares, o Poder Judiciário também decretou contra os investigados a indisponibilidade de bens, obrigação de entrega de passaportes e proibição de se ausentarem do país. O nome da operação vem da mitologia grega, sendo Apate um espírito feminino que personifica o engano, o dolo e a fraude, em alusão aos crimes cometidos pela organização criminosa. Fonte: Ascom MPRO
Corpo de Bombeiros alerta sobre cuidados e prevenção de acidentes com animais peçonhentos em Rondônia

Corpo de Bombeiros alerta sobre cuidados e prevenção de acidentes com animais peçonhentos em Rondônia

Com a chegada do período chuvoso aumenta a proliferação e o aparecimento de animais peçonhentos, como escorpiões, serpentes e aranhas, em lugares inesperados da área urbana e às margens de igarapés ou córregos. As dicas de segurança do Corpo de Bombeiros Militar para a população se prevenir desses animais são principalmente os cuidados com a limpeza dos quintais e terrenos baldios e evitar ficar próximo a rios e igarapés. Nesta época do ano, os animais peçonhentos saem do seu habit a procura de novos abrigos e os ambientes mais propícios dos escorpiões e aranhas são os quintais ou terrenos que acumulam entulhos de madeira e tijolo. O ideal, conforme explicou o cabo Lemos, do Primeiro Sub-Grupamento de Busca e Salvamento Independente, é manter esses locais limpos e livres de entulhos. “Pessoas que vão limpar os quintais e terrenos baldios devem usar o EPI (Equipamento de Proteção Individual) completo, botas, luvas e mascaras e ter cuidados redobrados na retirada de entulhos”, recomenda o Corpo de Bombeiros. Já com as serpentes, os cuidados são principalmente próximos aos rios e igarapés, mas também os terrenos baldios que acumulam muitas sujeiras. “Nunca deixar as crianças brincarem sozinhas nesses locais”, alertou o cabo Lemos, acrescentando que todas as vítimas dos animais peçonhentos devem observar no mínimo as características deles para facilitar o procedimento no hospital. Em caso de incidência de acidentes com esses animais, as pessoas devem ligar para os números: 190, 192 ou 193 e acionar a Polícia Ambiental, Corpo de Bombeiros ou o SAMU. A triagem de qual órgão vai atender a ocorrência é feita pelo Ciop (Centro Integrado de Operações). Em todos os casos as pessoas serão encaminhadas ao Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron) e os animais encaminhados ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – Ibama. Um fator importante relacionado às vítimas de picada desses animais é que até a chegada do socorro as pessoas devem manter a calma, lavar o local com água e sabão, se foi picada nos braços ou pernas, ficar deitada com os braços ou pernas acima da linha do tórax. O que não deve fazer de maneira nenhuma são as seguintes orientações: não chupar o local da picada, não fazer torniquetes, que é conhecido por garrote que prender a circulação com uma tira de pano, não ficar nervosa e não colocar produtos como a borra de café ou creme dental. “Tudo isso só vai gravar a situação de quem foi picado”, reforçou. Secom- Governo de Rondônia/Marilza Rocha