O Conselho Municipal de Saúde, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde (SESAU), realizou, nos dias 01 a 03 de agosto, a 1ª Conferência Municipal de Vigilância em Saúde (CMVS) de Guajará-Mirim, distante 330 km da cidade de Porto Velho, em Rondônia.

Com o tema “Vigilância em Saúde: Direito, Conquistas e Defesa de um SUS Público de Qualidade”, a 1ª CMVS contou com a participação de usuários, trabalhadores, gestores, representantes de movimentos sociais, ONGs, entidades e instituições com atuação em defesa da saúde pública.

A 1ª CMVS debateu o acesso e integração das práticas e processos de trabalho das vigilâncias epidemiológica, sanitária, em saúde ambiental e do trabalhador, planejamento, intervenção, doenças e agravos à população e implementação de políticas públicas para promoção da saúde e redução de doenças e agravos.

Segundo a Diretora da Agência Estadual de Vigilância em Saúde - AGEVISA, Dra. Arlete Baldez, Guajará-mirim inaugurou a etapa municipal no estado, sendo um momento importante para os munícipes,

“É uma conferência histórica e Guajará-Mirim é a primeira em realizar, portanto inaugura a etapa municipal. É um momento importante em que há uma mobilização da população do município, os usuários, trabalhadores da saúde, gestores, momento de levantar quais os principais problemas de saúde e como as vigilâncias em saúde podem estar potencializando seu trabalho em parceria com outros setores da saúde, de acordo com uma política pública que qualifique esses serviços”, afirma Arlete.

O coordenador da conferência, o Presidente do Conselho Municipal de Saúde, Marcos Roberto, ressalta que foram quatro eixos discutidos no decorrer desses dias, dando ênfase nas áreas de vigilância em saúde: sanitária, ambiental, saúde do trabalhador e epidemiológica com objetivo de prevenir diversas doenças no município.

Dentre os eixos, Marcos Roberto chama atenção para as responsabilidades do governo,

“Guajará-Mirim, é uma cidade de fronteira, recebe turistas, indígenas e bolivianos, e todos eles recebem atendimento no Hospital Regional quando precisam, então o Estado deveria olhar com bons olhos para cidade, em vez de ficar esperando a entrega do novo hospital para que haja a participação tripartite (União - Estado – Município), essa contribuição já deveria existir há anos para que a população tivesse uma melhor qualidade de atendimento na urgência e emergência e assim desafogasse o atendimento no Hospital de Base de Porto Velho, além de diminuir o custo do translado de pacientes para Capital”, diz Marcos Roberto.  

Para o Secretário Municipal de Saúde, Elias Palhano, através da conferência as propostas levadas ao Estado e a Nacional poderão trazer recursos para o município,

“As propostas serão levadas para o Estado e após debatidas, vai para Nacional em Brasília, onde será também discutida e decidida o que é melhor para Saúde. Nós temos um município de fronteira, população pobre, turista, caminhoneiro, indígena, estrangeiro, e está sendo muito difícil fazer saúde em Guajará-Mirim, então através das propostas esperamos que o Itamaraty e as Relações Exteriores possam ajudar a melhorar a saúde no município”, diz Elias Palhano.  

Além das discussões e o levantamento das propostas, também foi realizada a eleição para os delegados que irão participar das próximas conferencias, a Estadual que acontece em Outubro e a Nacional, em Brasília no mês de Novembro, com o objetivo de eleger as mais importantes propostas que formaram as diretrizes e prioridades para os próximos quatro anos.

Fonte: Rádio Educadora/ Nurian Lavareda