Ao Vivo
 
 
Siga ao vivo

Geral

Dez estados vão participar de estratégia para reduzir mortalidade neonatal

Dez estados vão participar de estratégia para reduzir mortalidade neonatal

Uma nova estratégia do Ministério da Saúde vai tentar reduzir as mortes de recém-nascidos e melhorar a qualificação das maternidades que acolhem esses bebês. A iniciativa vai contemplar nove estados que concentram as maiores taxas de mortalidade neonatal no país: Amapá, Amazonas, Bahia, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Piauí, Roraima e Sergipe. Além disso, o Ceará vai fazer parte do grupo porque possui um centro de referência da Rede Cegonha, que é uma importante estratégia relacionada a esse projeto. A medida prevê a redução da mortalidade nos primeiros 28 dias de vida e o aumento na taxa de aleitamento materno. A diretora de Ações Programáticas e Estratégicas do Ministério da Saúde, Thereza de Lamare, explica que, para garantir o melhor início de vida ao recém-nascido, é preciso oferecer apoio técnico e capacitação de profissionais. “O objetivo dessa estratégia é fortalecer as ações que já vêm sendo implementadas na saúde da criança, especialmente depois da publicação da portaria que instituiu a Política de Atenção Integral à Saúde da Criança. Então o nosso objetivo é fazer uma integração das ações que estão voltadas diretamente a Atenção Neonatal. Fazer uma ação integrada junto às maternidades que têm maior número de óbitos neonatais em 10 estados para que a gente possa fazer um apoio sistemático a esses profissionais de saúde”. A iniciativa, chamada de QualiNEO, será desenvolvida até julho de 2019 nas maternidades selecionadas. Ao final desse período, o Ministério da Saúde vai entregar um selo de qualidade às instituições que, além de integrar a estratégia, também conquistarem melhoras nos atendimentos. Para mais informações acesse www.saude.gov.br. Fonte: Agência do Rádio/Reportagem, Janary Damacena.
Prazo para sacar abono salarial é prorrogado

Prazo para sacar abono salarial é prorrogado

Cerca de 1,5 milhão de pessoas que têm direito ao abono salarial ano-base 2015 ainda não retiraram o benefício. O prazo para o saque, que terminaria na sexta-feira (30) passada, foi prorrogado. Agora, os trabalhadores terão uma nova oportunidade entre 27 de julho e 28 de dezembro. Para saber se você tem direito ao abono salarial, basta acessar o site do Ministério do Trabalho com o número do CPF ou do PIS/PASEP e colocar a data de nascimento. O benefício vai de R$ 79 a R$ 937, dependendo do tempo de trabalho formal em 2015. Segundo o chefe da Divisão do Seguro Desemprego do Ministério do Trabalho, Márcio Ubiratan Britto, este dinheiro vai auxiliar não só o cidadão, como a economia do país. "Levando em consideração o trabalhador que ganha dois salários mínimos, esse, na realidade, é a metade de um salário que ele ganha. Então, e mais um esforço na renda deste trabalhador e é mais dinheiro rodando na economia." Podem sacar o abono salarial ano-base 2015 aqueles que estavam inscritos no PIS/PASEP há pelo menos 5 anos, quem trabalhou formalmente por pelo menos 30 dias em 2015, com remuneração mensal média de até dois salários mínimos e teve os seus dados informados de forma correta pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais, o RAIS. Quem é da iniciativa privada deve retirar o dinheiro na Caixa Econômica Federal e os servidores públicos, no Banco do Brasil. Aqueles que tem o Cartão Cidadão e a senha cadastrada, podem sacar o abono do PIS nos terminais de autoatendimento da Caixa ou nas casas lotéricas. A Central de Atendimento Alô Trabalho do Ministério do Trabalho também tem informações sobre o benefício. O número é o 158. Fonte: Agência do Rádio/Reportagem, Cintia Moreira