Ao Vivo
 
 
Siga ao vivo

Política

Temer deve enviar ao Congresso nesta semana, projeto para privatização da Eletrobrás

Temer deve enviar ao Congresso nesta semana, projeto para privatização da Eletrobrás

O presidente Michel Temer decidiu em reunião com ministros nesta segunda-feira (6) que vai enviar ao Congresso Nacional via projeto de Lei a proposta de privatização da Eletrobras. A ideia é que o projeto seja enviado a Câmara ainda nesta semana. O governo quer dar celeridade à tramitação da proposta e, por isso, a enviou via PL, modelo defendido pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). A estatal, que é responsável por coordenar todas as empresas do setor elétrico no Brasil, deverá sofrer um aumento de capital, do qual o governo não pretende participar. A expectativa é de que sejam arrecadados cerca de R$ 20 bilhões com a operação. O anúncio da privatização da Eletrobras, em agosto, fez com que O Ibovespa chegasse aos 70 mil pontos, maior índice registrado desde 2012. As ações da empresa também registraram alta de mais de 20%. A decisão também aqueceu as ações de outras estatais como a Petrobras. Agência do Rádio/Reportagem João Paulo Machado  
Veja como votou cada senador na sessão que restabeleceu o mandato de Aécio Neves

Veja como votou cada senador na sessão que restabeleceu o mandato de Aécio Neves

A decisão do Senado Federal que derrubou, nesta terça-feira (17), o oficio do STF que afastava Aécio Neves (PSDB-MG) do mandato de senador, contou com o apoio de 44 parlamentares. O PMDB foi o principal aliado de Aécio, com 18 votos a favor do político mineiro. Em seguida, o PSDB, partido de Aécio, ofereceu 11 votos em benefício do ex-presidenciável. A terceira sigla que mais beneficiou o tucano, foi o PP, com 4 votos. Do outro lado, o PT foi a agremiação com mais votos pela manutenção do afastamento, 7, seguido por PSB, 4, e, Podemos, 3. Nove senadores não compareceram à sessão: Armando Monteiro (PTB-PE), Cristóvam Buarque (PPS-DF), Gladson Camelli (PP-AC), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Jorge Viana (PT-AC), Ricardo Ferraço, Rose de Freitas (PMDB-ES), Sérgio Petecão (PSD-AC) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). Além deles, também não votaram Eunício Oliveira (PMDB-CE), na condição de presidente, e próprio Aécio Neves (PSDB-MG), que estava afastado. Confira abaixo o voto de cada senador: Contra a decisão da primeira turma do STF e a favor de Aécio   A favor da decisão da primeira turma do STF e contra Aécio   Airton Sandoval (PMDB-SP) Acir Gurgacz (PDT-RO) Antonio Anastasia (PSDB-MG) Alvaro Dias (Pode-PR) Ataídes Oliveira (PSDB-TO) Ana Amélia (PP-RS) Benedito de Lira (PP-AL) Ângela Portela (PDT-RR) Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) Cidinho Santos (PR-MT) Fátima Bezerra (PT-RN) Ciro Nogueira (PP-PI) Humberto Costa (PT-PE) Dalírio Beber (PSDB-SC) João Capiberibe (PSB-AP) Dário Berger (PMDB-SC) José Medeiros (Pode-MT) Davi Alcolumbre (DEM-AP) José Pimentel (PT-CE) Edison Lobão (PMDB-MA) Kátia Abreu (PMDB-TO) Eduardo Amorim (PSDB-SE) Lasier Martins (PSD-RS) Eduardo Braga (PMDB-AM) Lídice da Mata (PSB-BA) Eduardo Lopes (PRB-RJ) Lindbergh Farias (PT-RJ) Elmano Férrer (PMDB-PI) Lúcia Vânia (PSB-GO) Fernando Coelho (PMDB-PE) Magno Malta (PR-ES) Fernando Collor (PTC-AL) Otto Alencar (PSD-BA) Flexa Ribeiro (PSDB-PA) Paulo Paim (PT-RS) Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN) Paulo Rocha (PT-PA) Hélio José (PROS-DF) Randolfe Rodrigues (Rede-AP) Ivo Cassol (PMDB-RO) Regina Sousa (PT-PI) Jader Barbalho (PMDB-PA) Reguffe (Sem partido-DF) João Alberto Souza (PMDB-MA) Roberto Requião (PMDB-PR) José Agripino Maia (DEM-RN) Romário (Pode-RJ) José Maranhão (PMDB-PB) Ronaldo Caiado (DEM-GO) José Serra (PSDB-SP) Walter Pinheiro (Sem partido-BA) Maria do Carmo Alves (DEM-SE)   Marta Suplicy (PMDB-SP)   Omar Aziz (PSD-AM)   Paulo Bauer (PSDB-SC)   Pedro Chaves (PSC-MS)   Raimundo Lira (PMDB-PB)   Renan Calheiros (PMDB-AL)   Roberto Rocha (PSDB-MA)   Romero Jucá (PMDB-RR)   Simone Tebet (PMDB-MS)   Tasso Jereissati (PSDB-CE)   Telmário Mota (PTB-RR)   Valdir Raupp (PMDB-RO)   Vicentinho Alves (PR-TO)   Waldemir Moka (PMDB-MS)   Wellington Fagundes (PR-MT)   Wilder Morais (PP-GO)   Zezé Perrella (PMDB-MG)   Fonte: Senado Federal   Agência do Rádio/João Paulo Machado