O governo Federal espera aprovar a Reforma da Previdência no Plenário da Câmara dos Deputados para conter rombo nas contas públicas, que pode ser superior a 180 bilhões de reais este ano. Mas ainda não há consenso entre os parlamentares para a votação do texto da reforma. O líder do governo no Congresso Nacional, deputado Federal André Moura, do PSC sergipano, conta que, neste momento, a aprovação da Reforma da Previdência não é tratada como prioridade pela base governista.

“A Reforma da Previdência é um tema extremamente importante de um governo que tem responsabilidade com o país. Mas não é o foco desse momento. Ela não deixou de ser uma prioridade para o governo. Mas não é a prioridade do momento. Nós temos outras prioridades, várias matérias que fazem parte dessa pauta econômica, que nesse momento, são prioridade. ”

De acordo com o deputado André Moura, a reforma Política, a Tributária e o programa conhecido como Novo Refis, estão na ponta da lista de prioridades do governo. Ou seja, a Reforma da Previdência só voltará a ser discutida na Câmara dos Deputados após a aprovação desses projetos. No entanto, o líder do governo no Congresso Nacional acredita que a Reforma da Previdência precisa ser aprovada ainda este ano.

“Nós temos que trabalhar para que a Reforma da Previdência possa tramitar este ano. No próximo ano, é ano eleitoral, ano difícil. Então, o nosso trabalho será, quando o governo entender que volta a ser a prioridade número um a Reforma da Previdência, que ela seja trabalhada este ano. Porque a gente tem que ser realista. No próximo ano ela torna-se inviável. ”

A reforma da Previdência prevê novos limites de idade e de contribuição previdenciária para o trabalhador se aposentar. De acordo com o governo Federal, quando passar a valer, a reforma vai gerar economia de 600 bilhões de reais aos cofres públicos nos próximos 10 anos.

Agência do Rádio/De Brasília, Cristiano Carlos