No período de um ano o Governo cortou mais de um milhão de Bolsas Família por irregularidades no cadastro. De acordo com a Controladoria Geral da União, desse total mais de 460 mil cortes são definitivos, já o restante ainda está sobe análise. Marcelo de Carvalho, auditor da CGU explica porque os benefícios foram cortados.

“Como nós usamos uma quantidade razoável de cruzamento de dados com informações do INSS, nós encontramos uma quantidade de pessoas que tinham fonte de renda que não havia sido informada. Então, o caso mais recorrente é esse, as pessoas não informam que tem a renda, e acabamos nos deparando com o pagamento indevido, que na priori ele não teria direito ao beneficio”, explica Marcelo.

Mais de 13 milhões de famílias recebem o Bolsa Família no Brasil. Ainda de acordo com Marcelo, quem está com o cadastro regular não precisa se preocupar.

“As pessoas que recebem adequadamente não têm com que se preocupar, já as pessoas que receberam por ter omitido informações, o ideal é que elas solicite o desligamento para evitar que posteriormente tenham  dor de cabeça e terem que responder por isso”, ressalta Marcelo.

Quem omite informações para receber benefíciosdo Governo pode ser enquadrado do crime de falsificação. O valor médio pago do Bolsa Família é de 108 reais. Só no mês de junho deste ano foram repassados mais de dois bilhões e 400 milhões de reais para das famílias beneficiadas.

Fonte: BrMaisNews/ reportagem Henrique Carmo