O texto da reforma Trabalhista deve ser votado na próxima terça-feira (6) na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. O acordo foi feito nesta terça entre senadores governistas e de oposição, que decidiram transferir a votação para a semana que vem.

Para aumentar a velocidade da tramitação da proposta, a expectativa do governo é que o Senado não faça nenhuma alteração no texto aprovado na Câmara dos Deputados. Qualquer mudança no mérito da reforma trabalhista obrigaria o projeto a voltar para análise na Câmara. O relator do texto na Comissão, senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), argumentou com os parlamentares para que o texto continue tramitando sem alterações.

“Vamos à diante com esses pontos destacados ou vamos incorporá-los ao relatório para que ele volte para a Câmara? A posição da Câmara nós conhecemos. Se dependesse da Câmara, esses pontos que nós destacamos aqui não seriam destacados. Se voltar para a Câmara, nós estamos comprando um risco de essas conquistas que estão acordadas aqui possam ser convergentes. Se incluirmos o relatório e ele voltar para Câmara, como vamos garantir o aperfeiçoamento no debate que fizemos aqui?”

Ainda na reunião desta terça-feira (30), o senador Ferraço comunicou a rejeição de cerca de 30 emendas que foram apresentadas ao projeto desde a reunião da semana passada. Ao todo, o texto recebeu 223 sugestões de mudanças.

Antes de ir à votação no plenário do Senado, o projeto de reforma Trabalhista ainda precisar passar pelas Comissões de Assuntos Sociais e pela Comissão de Constituição e Justiça. A expectativa da base aliada do governo é que, até o dia 15 de junho, a reforma seja votada no plenário do Senado.

Fonte: Agência do Rádio